Dê um fim às sardas brancas na pele!

Anos de exposição ao sol sem a devida proteção é uma das principais causas do distúrbio.

É bem no verão elas costumam aparecer com mais frequência para aqueles que se esquecem do protetor solar. Os pontos bem mais claros que o tom da pele, pequenos, aparecem em braços, pernas e o colo lá pelos 30 anos, mas em mulheres mais jovens elas também podem surgir. Para algumas, isso é um charme. Para outras, um incômodo terrível. Se você pensou nas sardas brancas, acertou em cheio! Uma exposição ao sol contínua sem o uso do protetor solar é apontada como uma das principais causas para o surgimento.


Sardas comuns X sardas brancas
Antes, vamos explicar a diferença das sardas brancas para as comuns.Estas, chamadas de efélides, têm origem hereditária e aparecem devido à hiperpigmentação da pele decorrente de uma produção exagerada de melanina. Aparecem mais em pessoas de com a pele clara, com histórico familiar e com ascendência estrangeira. Obviamente que, quanto maior a frequência em relação à exposição ao sol, maior o estímulo.

Manifestações no corpo
Já as sardas brancas, ou leucodermia puntata, aparecem em regiões que são mais expostas ao sol e, por isso, sofreram agressões dos raios solares durante um bom tempo. São despigmentações residuais ou cicatriciais devido à destruição gradativa daquele tecido. Mas, uma vez que você desenvolveu essas sardas na pele, dá para eliminá-las completamente? O que dá para fazer é amenizar, e muito, as características das sardas.

Tratamentos
Para o dermatologista Fernando Passos de Freitas, o tratamento para as sardas brancas inclui o uso de cremes, loções ou géis à base de substâncias clareadoras, como o ácido retinóico, são grandes aliados. “Com o uso continuado de duas a três vezes por semana é possível reverter o quadro parcialmente”, explica o médico.
Para quem deseja um tratamento mais rápido, as sessões de microeletrocauterização são uma alternativa eficiente. O médico utiliza um aparelho que emite uma carga elétrica suave queimando os pontos brancos um a um. Assim, as células normais são estimuladas a ocuparem o lugar daquelas alteradas pela radiação. “O resultado é considerado bom. Até 70% das manchas desaparecem. São necessárias de três a quatro sessões”, ressalta o dermatologista. Mas se a área tratada for grande?
Os peelings de ácido tricloroacético (ATA) são boas opções, uma vez que promovem uma renovação mais profunda da pele. “Mas o procedimento é indicado somente no outono ou inverno porque a exposição ao sol traria consequências ainda piores”, alerta o dermatologista que também ressalta: o tratamento não pode ser feito quando a pele estiver bronzeada.
s
Prevenção
Mesmo com todos os tratamentos disponíveis no combate às sardas brancas, a prevenção ainda reside numa simples atitude: prevenção. A dica de sempre é que você utilize regularmente o filtro solar. “Quem já usa um protetor fator 15, por exemplo, deve aumentar o fator de proteção para 20 ou mais pelo menos quando vai à praia. O tratamento deve ser orientado de acordo com cada caso”, ressalta Fernando. Outra forma de se prevenir é utilizar bonés, viseira e óculos escuros.


Créditos: http://estilo.br.msn.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário